Productized apresentou novas formas de ver os produtos

A 9 de outubro teve lugar na FIL (Feira Internacional de Lisboa) a primeira edição da conferência Productized, uma iniciativa que contou com diversos oradores que focaram a importância de pensar sobre o design dos produtos e as funções associadas, como a responsabilidade do product manager e do designer em trabalhar o produto na ótica das vantagens para o consumidor.

O primeiro orador do dia foi Jonathan Tilley, ex-bailarino da Broadway e agora escritor e consultor de inovação, que falou sobre a importância de aceitar o fracasso quando ele ocorre e aprender com esses erros, numa conferência intitulada “Embrace the F Word – Failure”. Jonathan pediu ao público para escrever numa folha o que é que o sucesso faz sentir a cada um de nós e, ao lado, o que é que o fracasso nos faz sentir.

Jonathan pediu ao público para partilhar as suas ideias e reforçou que em última análise o sucesso é obter aquilo que queremos, enquanto o fracasso é não alcançar os nossos objetivos. Em seguida, Jonathan realçou que enquanto o sucesso é caracterizado pela Ação, o fracasso é uma Não-Ação. No entanto, há formas de transformar o fracasso em sucesso, e Jonathan explicou que uma dessas formas é a regra dos três A’s:

Training session

 

Seguiu-se o segundo orador do dia, Luis Eduardo Dejo, designer e innovation strategist na empresa Telefonica R&D Madrid, que falou sobre a forma como as pessoas se estão a desligar do mundo real por causa da grande importância do digital, numa conferência intitulada “Are We Creating Meaning?”. Nesta palestra, o orador refletiu sobre a forma como o mundo está a mudar e as pessoas se estão a tornar em “Digital Zombies”, e de que modo estamos a criar significado com estas novas tecnologias e a ficar mais “Smart”. Luís Eduardo falou ainda sobre o conceito de The Internet of Things e como existe uma aplicação móvel para cada um dos nossos problemas. Comentou ainda que é importante termos a noção de que os nossos produtos são dirigidos às pessoas e não pensar que são dirigidos ao “Mercado”, pois desumanizar o público-alvo pode ser um grande erro. Falou também de inovação e deixou alguns conselhos:

Conselhos para inovar

 

Os oradores seguintes falaram de outros pontos relevantes no que toca ao desenvolvimento dos produtos. Philip Thompson, experiente designer de produtos, falou ao público sobre a importância de pensar sobre o design e criar um mapa com objetivos (why), design (how) e métricas (what) para cada um dos nossos produtos. Referiu que é importante ter uma visão diferente das coisas e pensar no porquê de determinadas escolhas, focando sempre as necessidades do consumidor final.

Já Gabriel Steinhart, CEO da Blackbot e Product Management Expert, foi orador na conferência “Origins of the Product Manager vs Product Owner Dillema”, na qual falou sobre a importância do Product Management numa empresa e dos programas que podem ser utilizados para facilitar esta função.

Tiago Castro, da Polisport, Diogo Teles, da Faber Ventures, Michael Grothaus, da SITU, e João Carreiro, da Nozomi, falaram na importância das histórias ao apresentar uma marca ou produto quer aos consumidores quer aos interessados em financiar ou dar outro tipo de apoio aos produtos, pois as pessoas recordam-se mais das histórias e conseguem relacionar-se mais com elas do que apenas com produtos que estão agora a conhecer.

Colman Walsh, fundador da UXTraining.ie, foi o orador que se seguiu, numa conferência intitulada “Lean UX: Five Lessons From the Battle Field” em que abordou as táticas alemãs de guerra, conhecidas como Auftragstaktik, que são tácticas focadas em cumprir os objetivos de missão e não na forma como estes são alcançados. Colman referiu que os planos são importantes mas quase nunca resultam ao detalhe, e é importante saber adaptar os planos à realidade e às mudanças quando elas ocorrem. Deixou ainda cinco ensinamentos retirados do campo de batalha que podem ser usados nas empresas:

Lições do campo de batalha

Estes foram alguns dos oradores desta conferência que trouxe grandes nomes na área do Product Thinking e que deixaram alguns conselhos aos participantes, falando ainda das suas visões sobre o presente e o futuro dos produtos num mundo cada vez mais consumista, e mostrando que a conceção tradicional dos produtos pode ser mudada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *