Santuário da Peninha – Sintra

Em pleno Parque Natural Sintra-Cascais, situado entre estes dois concelhos, podemos encontrar o Santuário da Peninha, cuja história remonta a uma lenda do século XVI. Deste local consegue ver-se uma enorme extensão de terra e mar, que vai desde o Cabo Espichel à Ericeira, passando pelo Rio Tejo e Ponte 25 de Abril, pela zona de Cascais e Guincho e também pelo Cabo da Roca, a apenas 6 km deste local.

 

A construção atual deve-se a Pedro da Conceição, que reuniu esmola da população e contou com o apoio de D. Pedro II para reconstruir o santuário que ficara destruído em 1673, aquando de um terramoto. Antes disso já existia uma pequena capela, também conhecida como Capela de Nossa Senhora da Penha, que se diz ter sido erguida pela população no seguimento da lenda da aparição de Nossa Senhora a uma pequena pastora muda e muito pobre que vivia em Almoinhas Velhas e que costumava levar o seu rebanho a pastar naquela zona.

Peninha

 

Reza a lenda que certo dia, uma das suas ovelhas fugiu e a pastorinha, desesperada, procurou-a por todo o lado, sem sucesso. Apenas descansou quando viu, ao longe, uma senhora que trazia a sua ovelha. A pastorinha tentou agradecer-lhe como pôde, e a senhora pediu-lhe um pouco de pão. A pequena pastora explicou-lhe que esse ano tinha sido muito mau para as colheitas e havia muita fome, ao que a senhora respondeu que quando chegasse a casa ela deveria chamar pela mãe e procurar pão. A rapariga indicou que isso seria impossível, pois para além de saber que não havia pão em sua casa não conseguiria falar, mas a senhora insistiu.

 


Ao chegar a casa, chamou pela sua mãe e a sua voz ouviu-se em toda a casa. Espantada por ter recuperado a sua voz, explicou o que acontecera à mãe e ambas procuraram pela casa o pão, até que encontraram dentro de uma arca uma quantidade tão grande de pão que chegou para a aldeia inteira. A surpresa e gesto de bondade deixou toda a aldeia estupefacta e no dia seguinte, como prova de agradecimento, toda a comunidade subiu a serra em direção ao local onde a pastorinha tinha encontrado a senhora, e foi aí que viram uma gruta com a imagem de Nossa Senhora. Nesse local, que passou a ser considerado como sagrado, foi construída a Capela em homenagem a Nossa Senhora da Penha.

 

Por baixo da Capela foram construídas as Casas dos Romeiros, entre 1751 e 1761, que se destacam na paisagem por estarem totalmente pintadas de amarelo. O seu propósito era o de acolher os peregrinos que se deslocavam a este lugar de culto. Também foi construído, já em 1918, junto da Capela, um palacete romântico de estilo revivalista, que tem contornos de uma fortificação e foi projetado por Júlio Fonseca a pedido de António Augusto de Carvalho Monteiro, este último o principal responsável pela construção da Quinta da Regaleira, também em Sintra.

Santuário da Peninha e Casas dos Romeiros
Santuário da Peninha e Casas dos Romeiros

 

 

Um pouco mais abaixo podemos encontrar a Ermida de S. Saturnino, construída no século XVI sobre a estrutura já existente de um templo dos visigodos e uma capela posterior, do século XII, que se julga ter sido fundada por Pero Pais, contemporâneo de D. Afonso Henriques. Hoje em dia, esta Ermida encontra-se abandonada e sem perspetivas de recuperação.

Vista do Cabo da Roca
Vista do Cabo da Roca
Vista do Guincho e Cascais
Vista do Guincho e Cascais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *